sexta-feira, janeiro 29, 2021

É difícil de acreditar, mas

o FBI está a prender pessoas pelo crime de... Publicarem memes nas redes sociais. Os Estados Unidos transformaram-se numa ditadura feroz no espaço de semanas. Foi mesmo rápido. E a cada dia que passa, fica mais apertada a mordaça.


O ditador em execução.

Apesar de poder contar com maiorias democratas nas duas câmaras do Capitólio, Joe Biden já assinou 42 ordens executivas desde que assumiu a presidência, pulverizando os registos presidenciais anteriores (10 vezes mais ordens executivas para o mesmo periodo do que Trump, 8 vezes mais que Obama, 22 vezes mais que Bill Clinton e 42 vezes mais que Reagan e Bush).
A democracia americana não foi constituída para ser governada desta forma e nas palavras do próprio Biden durante a campanha eleitoral, esta é a gesta característica de um ditador:

Vale tudo.

Depois de corromperem a paz social com as políticas de identidade, a liberdade individual com os confinamentos, a liberdade de expressão com a censura e as eleições com a fraude, as elites que tomaram o ocidente de assalto estão neste momento e activamente a corromper as leis do mercado liberal com a proibição do acesso dos pequenos investidores à bolsa de valores de Nova Iorque. E tudo porque foram batidos no seu próprio jogo sujo por um punhado de investidores renegados e independentes que decidiram expô-los e, por uma vez, sujeitá-los ao seu próprio veneno.
A cada dia que passa, fica mais apertada a mordaça.

quinta-feira, janeiro 28, 2021

Justiça divina ou justiça popular?


Vai dar no mesmo. Uns milhares de cidadãos de classe média reuniram-se à volta de um chat do Reddit e decidiram comprar milhares de acções da GameStop, um retalhista de videojogos que estava a ser objecto de especulação manhosa por parte da Melvin Capital, uma hedge fund de Wall Street que apostava na destruição da empresa e que por isso tinha investido à grande na baixa cotação das suas acções. Resultado: a cotação das acções da Gamestop começou a subir loucamente (cerca de 300% e isto é que é usar as armas do inimigo contra ele próprio) e em 48 horas os bandidos da Wallstreet perderam biliões de dólares e foram levados à falência. Sim biliões. Isto enquanto o grupo de investidores justiceiros ganhou dinheiro como quem monopoliza o Monopólio. 

Esta história é simplesmente maravilhosa e demonstra inequivocamente como a vontade popular pode fazer sofrer, à séria, as miseráveis elites que temos e fazer uma espécie de divina justiça sobre a ganância e a total ausência de escrúpulos dos filhos da puta do mercado bolsista.

Os dois bons marretas do Lotus Eaters explicam melhor que eu o que aconteceu num segmento hilariante do seu podcast que recomendo vivamente porque é super divertido.

Tulsi: a única democrata capaz de denunciar o processo totalitário em curso.

Ainda há menos de uma ano atrás, Tulsi Gabberd fazia parte do elenco dos candidatos às primárias do Partido Democrata. Hoje é a única voz, no partido, com a coragem e a lucidez de dizer o que é preciso dizer. Além disso, a rapariga é um borracho de cair para o lado.

quarta-feira, janeiro 27, 2021

A Bíblia não. Pornografia infantil, sim.

Os censores do Facebook acham que a Bíblia é ofensiva e deve ser banida das suas páginas, enquanto permitem que a plataforma seja usada para normalizar o abuso sexual de menores.

No entretanto, o Twitter censura toda a gente que desconfie da legalidade e legitimidade do processo eleitoral de 20 de Novembro, mas permite que pedófilos divulguem abertamente as suas criminosas actividades.

Se isto não é uma definição do mal absoluto, não sei mais que vos diga, amigos.

terça-feira, janeiro 26, 2021

Às vezes penso que vou acordar

deste pesadelo. Mas não. A presente realidade dá uma abada aos piores sonhos que posso ter.

Fascismo à boca cheia.

As forças totalitárias que agora presidem aos destinos da América já nem sequer tentam esconder a vilania das suas intenções. Toda a gente que discorda da sua visão deve ser silenciada, ponto. o sempre corajoso Tucker Carlson dedica este monólogo ao arrepiante assunto e merece toda a nossa atenção. Mas reparem especialmente no que diz o "Head Security Officer" do Facebook, em declarações à CNN, ao minuto 18:09. É assustador. Até um ditador sul americano, até um líder nazi, até um dirigente soviético, até um comissário do partido comunista chinês teria pudor em pronunciar estas palavras. Inacreditável.

segunda-feira, janeiro 25, 2021

Máscara para que te quero.

 

60,5 % de abstenção e está tudo dito.

Não há muito para dizer sobre as presidenciais desta triste república. O palerma do Marcelo conseguiu continuar a enganar uma boa maioria dos portugueses, que acham que ele é o máximo. O Ventura falhou completamente em resgatar o voto dos cidadãos que geralmente se abstêm e que são tantos como aqueles que votaram no palerma do Marcelo. A imbecil-histérica da Ana Gomes não conseguiu mais que um terço dos votos do PS, o João Ferreira ficou longe de somar o que vale eleitoralmente o seu partido estalinista e a Martinha ou Marina ou lá como é que ela se chama demonstrou, mais uma vez, que o Bloco já deu o que tinha a dar. Tudo na mesma e mais do mesmo, portanto. E nem sei se valeu a pena escrever este parágrafo.

A discoteca da minha vida #77: "The Music", The Music

The Music : The night fever - Addict Culture

A banda que pomposamente decidiu chamar-se "The Music" é um daqueles epifenómenos difíceis de entender. Editaram 3 discos explosivos entre 2002 e 2008 e depois desapareceram para sempre. O seu primeiro trabalho, homónimo, é uma coisa sem explicação: Robert Harvey fica com as tripas de fora de tanto ter que gritar por cima da electricidade que a banda debita em doses industriais e a ideia subjacente a este ensaio sobre o ruído é que o apocalipse se aproxima a passos largos e que cabe ao músicos exercerem com furiosa energia todos os acordes possíveis, a grande velocidade e no máximo volume, enquanto é tempo.
Oiço hoje este disco intenso e poderoso e soa-me como uma espécie de elegia aos heróis esquecidos do rock and roll. Porque se é certo que estes grandes malucos caíram completamente no esquecimento, isso não faz deles uma banda menor ou deste disco um subproduto. Pelo contrário. Essa bruma oblívia é uma coroa de louros. Um monumento ao soldado desconhecido. Uma fuga gloriosa para o lado obscuro da criação.

quinta-feira, janeiro 21, 2021

Covid 19 e o Great Reset: um documentário a sério.

Este tipo de jornalismo está em vias de extinção. Recomendo vivamente o seu consumo. Enquanto ainda é possível.

 

Joe, o mal amado.

O mais votado presidente americano de sempre parece ser bastante impopular no Youtube. Nas últimas 24 horas, a página da Casa Branca mostra estes números elucidativos:

 

E isto é porque a Casa Branca desactivou os comentários. Caso contrário, em complemento da dureza dos números também teríamos acesso à crueza das palavras.

O melhor futebolista de todos os tempos.



Cristiano Ronaldo marcou hoje, na final da supertaça italiana, o 760º golo da sua carreira e é agora o futebolista com mais golos marcados em jogos oficiais na história da modalidade. Exceptuando naturalmente os argentinos e os catalães, ainda há alguém que duvide que este rapaz é o melhor de sempre?

E é assim.


quarta-feira, janeiro 20, 2021


 

A discoteca da minha vida #76: "Songs for the Deaf", Quens Of The Stone Age

Continuamos no profícuo ano de 2002. "Songs for the Deaf", o terceiro albúm dos Queens Of The Stone Age, explode como um barril de pólvora nuclear pelos ouvidos do mundo a dentro. Com uma ajudinha de Dave Grohl, baterista dos Nirvana e líder dos Foo Fighters, Josh Homme consegue aqui a sua pièce de résistance: um maníaco e poderoso manifesto rock, de máxima intensidade voltaica e mínima elaboração harmónica. Ouvem-se estes temas e as pernas querem pular, os braços querem voar, enquanto o cerebelo implora por uma aspirina. O trabalho de produção é notável, fechando a selvática progressão da banda num palco sonoro quente e árido, e o disco, que foi conceptualmente pensado como banda sonora para uma roadtrip pelo deserto que separa Los Angeles de Joshua Tree, resulta de facto numa viagem alucinante, odisseia volátil e fantasmática que vai acabar por se engalfinhar no arame farpado da atormentada alma americana.

Ditadura Militar dos Estados Unidos da América #03

 Talvez o melhor, talvez o mais poderoso monólogo de Tucker Carlson. Imperdível.

segunda-feira, janeiro 18, 2021

Sobre a boa e a má violência.

Se abrires uma conta no Twitter e postares apelos à mais extremada violência, (do género: enforca o Trump, mata os conservadores, frita os polícias na sua própria banha, tira os filhos das famílias conservadoras e coloca-os em campos de reeducação, etc., etc.), não te acontece nada. Mas se postares alguma dúvida sobre as boa intenções do movimento Black Lives Matter ou se colocares em causa a legitimidade eleitoral de Joe biden, és rapidamente banido da plataforma. Porque há uma violência que é boa e uma violência que é má. A boa violência é mesmo violenta e é boa. A má violência nem sequer chega a ser violência. É mera discordância. E isso é que não pode ser permitido. Tucker Carlson elabora sobre o assunto:

Gab: o sítio da liberdade.

Depois do Twitter ter sistematicamente censurado milhões de vozes conservadoras e do Parler ter sido completamente aniquilado pelo processo totalitário em curso nos EUA, o Gab é o único servidor de microblog sobrevivente da purga. E daí os números malucos: 50 milhões de visitas por semana, um milhão de novos subscritores em cada 48 horas. O facto desta rede social permitir total liberdade de expressão (limitada apenas pela lei constitucional americana), trabalhar com os seus próprios servidores e não depender grandemente do alojamento da aplicação nas lojas electrónicas da Google e da Apple, permitiu o seu triunfo sobre a pressão fascista de Sillicon Valley.

Mas há sempre uma candeia / dentro da própria desgraça / há sempre alguém que semeia / canções no vento que passa. / Mesmo na noite mais triste / em tempo de servidão / há sempre alguém que resiste / há sempre alguém que diz não.

Itálico carregado de ironia.

Ditadura Militar dos Estados Unidos da América #2

Ditadura Militar dos Estados Unidos da América.

Neste momento, estão 25 mil soldados estacionados em Washington, de forma a proteger a inauguration do Sleepy Joe Biden (Beijing Biden para os amigos). Os Estados Unidos da América são agora completamente uma república totalitária. Ao estilo sul americano.

Lockdown Rally #2